Valor do metro quadrado dispara em Santa Catarina

Dissídio dos trabalhadores e falta de mão de obra fazem aumentar o Custo Unitário Básico catarinense

Construir está mais caro em SC. O valor médio do metro quadrado – representado pelo Custo Unitário Básico (CUB) – rompeu a barreira dos R$ 1 mil e é um dos mais altos do Brasil. Em junho, o reajuste do CUB catarinense residencial foi de 2,84%, subindo para R$ 1.018,26. A falta de mão de obra e o dissídio dos trabalhadores em maio, que se reflete no mês seguinte, são as justificativas para tanta valorização.

Antes da alta de junho, SC já tinha o metro quadrado mais valorizado em relação aos estados da Região Sul. Em maio, o CUB catarinense estava em R$ 990,13, o valor era de R$ 855,63 no Paraná e de R$ 841,42 no Rio Grande do Sul. Até mesmo em São Paulo, o metro quadrado valia menos do que em SC: o CUB da maior cidade do país, em maio, estava em R$ 881,90.

pedreiros

Segundo o diretor de estatística do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) de SC, Aliator Silveira, junho é o mês de maior elevação do CUB no Estado em função do dissídio coletivo. Em junho de 2009, o reajuste ficou em 3,03%, acima, portanto, dos 2,84% deste ano.

– É um mês atípico por causa do reajuste salarial da categoria, que este ano foi de 7,63%. Nos meses normais, esta variação é bem inferior a 1%. O CUB catarinense deve se estabilizar já a partir de julho – justifica.

Silveira explica que o custo unitário básico do Estado é composto em 43% pelos custos com mão de obra e em 57% com custos de materiais de construção. No caso dos materiais, houve alguns aumentos, como o preço do aço, mas também houve reduções, como no caso da areia.

– Na verdade, nos materiais de construção tivemos compensações significativas e pouco impacto no CUB. O que realmente pesou no índice de junho foi o reajuste salarial dos trabalhadores. Ainda mais que temos falta de mão de obra e houve muita migração de pedreiros e ajudantes para o trabalho em casas de família que estão em reformas – diz.

obra genérica

Conforme Silveira, como os materiais de construção tiveram redução de IPI, muitas pessoas optaram por reformar seus imóveis e agora estão nos períodos de obras, utilizando a mão de obra que antes era das construtoras. Para compensar, os grandes empreendimentos estão importando mão de obra do Nordeste.

O presidente do Sinduscon da Grande Florianópolis, Hélio Bairros, afirma que SC tem o metro quadrado mais valorizado do que o Rio Grande do Sul porque os gaúchos estipulam várias faixas de CUB para cada tipo de padrão de acabamento. Em SC é feita uma média. Já o fato de ser mais caro do que o CUB de São Paulo, Bairros esclarece que o frete é maior para trazer materiais de construção para SC.

– O próprio aquecimento da atividade também eleva o índice – revela.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, o valor do CUB não tem influência nos financiamentos e não altera taxas nem planos. Mas valoriza o imóvel de quem já comprou e torna mais caro o imóvel novo para quem ainda quer comprar.

Fonte: Diário Catarinense
Comente: