O que fazer com o corredor da casa?

Veja dicas para deixar o espaço de circulação mais iluminado, bonito e funcional

O corredor da casa ou apartamento muitas vezes fica de fora dos planos de reforma ou decoração, e mais fora ainda na hora de escolher a mobília. Isso quando não é uma área de desgosto para os habitantes. Mas este espaço tantas vezes desprezado pode ser útil e bonito. A arquiteta Tania Bertolucci dá dicas do que pode ser feito - com e sem quebradeira - para transformar a área.

Uma das sugestões mais simples para alterar o corredor é a partir da pintura. Para espaços muito compridos, a arquiteta sugere o uso de uma cor escura ou vibrante na parede do fundo. A tinta pode ser substituída, ainda, por papel de parede colorido, ou um quadro com diferentes tonalidades. "A ideia é 'aproximar' a parede do fundo, 'puxá-la' para perto destacando um ponto de interesse", explica Tania.

No caso da escolha de um quadro, ela acrescenta que o ideal é usar luz focalizada para ele. Usar cores contrastantes nas portas também dá a impressão de que o comprimento da área é menor. Se o problema do corredor é ser escuro, a indicação é o uso de cores claras e luminosas, como creme, amarelo e laranja. Outra dica é uso de linhas verticais - em painéis ou na pintura.

Gesso
Onde há forro, a arquiteta sugere fazer cortes no gesso. Assim, ilumina-se a área e se consegue quebrar a monotonia das paredes, já que a luz que vem do entalhe no teto do corredor forma uma espécie de claraboia, "que nos remete à luz do dia". Além disso, o recorte no forro ajuda a diminuir a sensação de comprimento excessivo da peça.

Rebaixado, escritório ficou com mais de quatro metros de pé direito, e parede alta foi usada para abrigar estante de livros
Recortes no gesso dão efeito de claraboia

Vidros
Alternativa que também amplia a luminosidade do corredor são os vidros e os tijolos de vidro. Transparentes, ambas as peças ajudam a compartilhar a luz dos ambientes contíguos. Mas é preciso cuidado, alerta Tania, pois ao mesmo tempo esta opção pode diminuir a privacidade do cômodo que está do outro lado da parede. A dica é colocar o tijolo de vidro a uma altura maior do chão, de modo que não permita ao passante observar o que ocorre no quarto.

Rebaixado, escritório ficou com mais de quatro metros de pé direito, e parede alta foi usada para abrigar estante de livros
Prateleira de vidro com cerca de 10 centímetros de profundidade

A utilização de vidros permite ser ainda mais criativo na decoração, uma vez que o material é passível de ser montado como vitral, ou receber jateado artístico, entre outras possibilidades. Também pode servir para a confecção de prateleiras, caso a alternativa escolhida seja mobiliar o corredor, ou de painéis de fotos, caso a área vá ser decorada em estilo galeria.

Móveis
Corredores comportam, de maneira genérica, dois tipos de móveis: os que ocupam uma parte do espaço de circulação e os que usam a área da parede para serem colocados. No primeiro caso, pode-se colocar uma estante, para livros e objetos, um balcão decorativo ou mesmo um armário.

Se o tamanho da passagem for o padrão, de um metro de largura, Tania sugere o uso de prateleiras com no máximo 30 centímetros de largura, que reduzem a área de circulação para 70 centímetros sem prejudicá-la. Se, ao contrário, o espaço for maior que o normal, pode-se optar por uma bancada para o computador, uma máquina de costura ou mesmo um cabideiro.

Armário semiembutido com espelho e aparador de mármore
Armário semiembutido com espelho e aparador de mármore

Vazados
Outra sugestão é retirar parte da parede e colocar ali um armário, aproveitando a espessura da parede para não tomar muito espaço da passagem. O armário é funcional e também decorativo.

Armário semiembutido com espelho e aparador de mármore
Com retirada de parte da alvenaria, armário foi instalado no corredor

O armário também pode ter vazados, onde se coloquem objetos de arte, ou simplesmente se deixe aberto, formando um espécie de janela para o cômodo ao lado. Os vazados, aliás, mesmo sem um móvel, são uma boa opção para integrar os ambientes, compartilhar a luz e diminuir a aparência comprida e maciça do corredor.

Vazado na parede do corredor para a sala de estar
Vazado na parede do corredor para a sala de estar

O cuidado com os vazados é o mesmo que o necessário com os vidros: a privacidade do espaço contíguo. Os ambientes menos íntimos - como sala de estar ou copa - são ideais para usar essa técnica.

Janela entre copa e corredor serve aos dois espaços
Janela entre copa e corredor serve aos dois espaços

Janela entre copa e corredor serve aos dois espaços

 

A mesma sugestão da retirada de parte da parede serve para toda ela: unir um cômodo, transformando-o numa espécie de continuidade do corredor, criando uma circulação inserida no ambiente, é outra opção. Para quem não quer ser tão radical, mas ainda assim está preparado para quebrar paredes, a arquiteta sugere, ainda, que se remova um canto do corredor, com um corte na diagonal, e amplie a circulação do outro cômodo.

Teoria na prática
A jornalista Carolina Silva não tinha problemas com o corredor, mas queria ampliar o quarto de casal. A intenção era usar um pedaço da sala para isso, mas a parede comum às duas áreas era estrutural, ou seja, não podia ser posta a baixo ou "empurrada" para outro lugar. "O corredor não foi problema, foi a solução", resume. Um pedaço do corredor foi ocupado pelo dormitório, que também usou um canto do segundo quarto.

Com a manobra, o cômodo do casal ganhou quase cinco metros quadrados, ficando com 16,6 metros quadrados. O corredor encurtou de 3,3 metros de comprimento para apenas um. "Fez uma grande diferença na entrada no quarto", comenta Carolina, para quem o dormitório além de maior está mais agradável e mais iluminado.

Corredor de Carolina Silva tinha 3,3 metros de comprimento
Corredor de Carolina Silva tinha 3,3 metros de comprimento

Ampliação do quarto, hoje com 16,6 metros quadrados, ocupou mais
da metade do corredor e um canto do quarto ao lado, em diagonal
Ampliação do quarto, hoje com 16,6 metros quadrados, ocupou mais da metade do corredor e um canto do quarto ao lado, em diagonal

Corredor agora tem apenas um metro quadrado
Corredor agora tem apenas um metro quadrado

No caso do jornalista e cozinheiro Adriano Santana, o corredor do imóvel era um problema grande: tinha 12 metros de comprimento. A casa onde mora, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, vai de uma rua à outra. Em estilo açoriano, a construção é comprida e estreita. O corredor, que cortava o imóvel quase de um lado a outro, era "escuro, claustrofóbico e difícil de mobiliar".

Apesar de desagradar os moradores desde a compra do imóvel, a passagem não tinha previsões de solução. Até que, durante uma reforma na cozinha, Santana e a esposa mencionaram ao mestre de obras que não gostavam do corredor. O especialista sugeriu derrubar a parede de um dos quartos, separando a circulação em duas partes, aumentando a luminosidade e integrando os espaços.

O cômodo que teve a parede derrubada ficava sobre um porão, que não era usado para nada e também configurava um problema na distribuição de peças - além de ser úmido e ter problemas de ventilação. O casal optou, então, por "enterrar" o escritório, deixando-o mais baixo que o nível da casa e ocupando também o espaço que era do porão.

Parede do escritório foi derrubada e cômodo foi enterrado, ocupando também o espaço do porão
Parade que escritório dividia com corredor foi derrubata e home office foi "enterrado", ocupando também o espaço que antes era do porão

Não foi fácil: o porão era de chão, não tinha piso nem paredes. Depois do tratamento contra infiltrações, o escritório foi "afundado" e acabou ficando com mais de quatro metros de pé direito. A janela do antigo cômodo foi substituída por uma porta balcão, que fica no nível do piso da casa, confere luminosidade ao espaço - e também ao que sobrou do corredor - e, apesar do nome, funciona como janela para o ambiente de trabalho. Para aumentar a iluminação do local, acima da abertura foram colocados tijolos de vidro.

Corredor de Adriano Santana tinha 12 metros de comprimento
Corredor de Adriano Santana tinha 12 metros de comprimento

Janela do cômodo foi substituída por porta balcão, que confere luminosidade ao quarto e, sem a parede, também ao corredor
Janela do cômodo foi substituída por porta balcão, que confere luminosidade ao quarto e, sem a parede, também ao corredor

Porta ficou na altura do piso externo e funciona como janela
Porta ficou na altura do piso externo e funciona como janela

Quadros que ficavam na parede derrubada agora decoram escritório
Quadros que ficavam na parede derrubada agora decoram escritório

Rebaixado, escritório ficou com mais de quatro metros de pé direito, e parede alta foi usada para abrigar estante de livros
Rebaixado, escritório ficou com mais de quatro metros de pé direito, e parede alta foi usada para abrigar estante de livros

Os quadros, que decoravam a parede derrubada do corredor, foram parar dentro do escritório, e uma das paredes foi ocupada pela estante de livros. Os espelhos, um em cada ponta da passagem, se mantiveram na decoração - e ainda têm a função de ampliar a luminosidade do espaço.

Galeria de fotos
Uma das sugestões de decoração da arquiteta Tania Bertolucci para o corredor é fazer uma galeria de fotos. Além de dar um ar intimista ao espaço, pode ser uma forma de iluminá-lo e diminuir a impressão de que a passagem é muito comprida.

Uma das ideias é usar um painel de luz e fixar as fotos pela frente, como em uma galeria de arte mesmo. Outra dica é pendurar cabos metálicos no forro, com as molduras na outra extremidade, para não modificar a parede. Ou colocar vidro com espaçador e colar as fotos atrás dele, com fita invisível, o que viabiliza a troca das fotos de tempos em tempos.

Também é possível, para mudar as imagens sem preocupações com as marcas na alvenaria, colocar duas ou três prateleiras de cerca de dez centímetros de profundidade cada. Elas permitem o apoio de porta-retratos, que podem ser de diferentes tamanhos. "Particularmente gosto de usar fotos em preto e branco e coloridas, com molduras diferentes, criando uma composição. Prefiro evitar a monotonia, criando um ritmo, um movimento", conta a arquiteta. Ela sugere que as imagens sejam colocadas na altura dos olhos, ou cerca de 1,60 metro do chão.

Leia mais
>> Ambientes diferentes, integrados no mesmo espaço
>> Profissional ensina como organizar livros e CDs

Fonte: DÉBORAH SALVES - PENSE IMÓVEIS
Comente: