Dicas para decidir o melhor tipo de piso para os ambientes da casa

Especialistas indicam o que usar em cada ambiente e dão dicas de limpeza e conservação

Escolher o melhor piso para os ambientes da casa não é tarefa fácil. Deve-se levar em consideração o tipo de uso em que o espaço terá. Muito importante também é a qualidade do produto. “É bom consultar um profissional que conheça as marcas. O cliente pode pedir uma consultoria, por exemplo, que se paga por hora, e o arquiteto ajuda a escolher os materiais”, esclarece a arquiteta Dione Garros. Ela acrescenta que, com a concorrência acirrada do mercado, o preço pode ser negociado.

Os riscos de comprar um material de qualidade duvidosa são muitos: ele pode ser empenado – significa que não é alinhado, com irregularidades no centro ou nas pontas.  Ou ainda pode ter falhas na tonalidade. A dica é verificar o material assim que recebê-lo. Caso o produto apresente defeitos, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) oferece garantia de 90 dias a partir da data impressa na nota fiscal. Outro ponto importante é a metragem,: recomenda-se adquirir ao menos 10% a mais de revestimento para eventuais cortes, quebras, futuras reformas ou caso o produto não esteja mais disponível no mercado na mesma textura ou tonalidade. A aplicação de qualquer tipo de piso dever ser feita por mão-de-obra qualificada.

> Cimento queimado
O cimento queimado oferece visual rústico e, ao mesmo tempo, contemporâneo. Mas tem lá suas desvantagens, pois as trincas são inevitáveis, assim como o efeito manchado. A arquiteta Dione Garros conta que dá preferência ao uso desse revestimento no interior de casas de campo. "Cuido para não usar cimento queimado em áreas externas, pois ele acaba rachando e não tem muita durabilidade", completa. Ela sugere, ainda, a combinação com faixas de cerâmica, ladrilhos e pedras, que confere um charme a mais para o piso.

Duas alternativas podem ser buscadas no mercado: o cimento polimérico ou as massas pré-fabricadas. A vantagem do cimento polimérico é o aditivo que garante maior elasticidade e aderência do cimentado. Massas pré-fabricadas à base de pó de limestone ou de quartzo têm boa resistência a trincas. Existe, ainda, a massa caseira, que pode ser preparada por um mestre de obras experiente.

Piso cimentício, Zaro
Piso cimentício

Onde usar
Por não ter rejuntes e facilitar a limpeza, o acabamento de cimento queimado é muito apreciado em pisos e paredes de cozinha. No entanto, respingos constantes de gordura podem manchar o revestimento. Por isso, a dica é usar, próximo ao fogão, azulejos ou placas de inox.

Saiba mais
- é normal aparecerem pequenas trincas, mesmo que o serviço seja muito bem feito;
- manchas também são características deste tipo de piso, e costumam ficar mais visíveis com o passar do tempo;
- quanto mais lento processo de secagem do cimento - chamado de cura -, menor a probabilidade de aparecerem trincas e rachaduras;
- aplicar resinas com base acrílica por cima da massa ainda úmida é uma opção para retardar a cura do cimento;
- antes de aplicar o cimento queimado é importante que o contrapiso esteja limpo, desengordurado e sem pó. Caso haja trincas ou partes soltas, recomenda-se nivelar o contrapiso antes do processo;
- para atenuar as trincas é possível fazer juntas de dilatação em intervalos de até 1 m. Neste caso, plástico e metal são mais indicados, pois a madeira junta bactérias e fungos, e se deteriora;
- usar areia fina, clara e lavada na mistura ajuda a dar um resultado mais homogêneo ao revestimento; 
- para evitar manchas, é indicada a aplicação de duas demãos de verniz à base de água logo após a cura e antes do uso do piso;
- o piso deve ser selado e impermeabilizado com resina. No caso de cimento colorido, é necessário um produto com filtro contra raios ultravioleta;
- sapatos podem marcar fácil o piso, mas as manchinhas saem com sabão, água e esponja.
- quando molhado, o piso de cimento fica escorregadio.

> Porcelanato
O porcelanato é o queridinho dos arquitetos e dos clientes. São vários os motivos: alta resistência à abrasão, durabilidade, grande variedade de tons e texturas. As marcas que fabricam este tipo de piso cerâmico inspiram-se em outros elementos como pedra, madeira, cimento, metal, couro e tecido para formar uma gama de opções. “Às vezes, a gente acaba optando por esse revestimento porque tem vários modelos pra escolher”, esclarece a arquiteta Sabrina Sbardelotto.

As placas vêm em diversos tamanhos. A porosidade quase nula do porcelanato o torna bastante impermeável. Sua instalação é relativamente rápida, mas como a maioria dos pisos, requer a regularização do contrapiso antes da aplicação. Os três tipos de porcelanato mais comuns no mercado são:

- Técnico, polido ou natural: é a versão mais comum do porcelanato. Possui um brilho superior ao das pedras naturais, com reflexos. Deve haver cuidado na escolha de onde colocá-lo, pois é escorregadio.

- Acetinado ou mate: é fosco e gera menos desconforto visual de frieza.

- Rústico - é antiderrapante, mais usado em áreas externas. A limpeza é um pouco mais difícil, pois retém gordura com mais facilidade, por isso não é muito indicado para cozinha.

Porcelanato
Porcelanato, Divulgação Zaro Revestimentos

Onde usar
Este tipo de piso pode ser aplicado em ambientes internos ou externos. Seu uso é muito amplo, tanto na cozinha e no banheiro, como em salas e quartos. Cores escuras e texturas com aparência amadeirada transmitem conforto. As cores claras dão impressão de amplitude.

"No banheiro não gosto de usar o porcelanato liso e nem antiderrapante. Procuro usar o acetinado sem brilho, com alguns detalhes e ranhuras, a limpeza é mais fácil", detalha a arquiteta Dione Garros. A colega de profissão Erika Kupac considera a manutenção do porcelanato maravilhosa e diz que gosta de aplicar o revestimento “principalmente na área social, integrando os ambientes, desde o hall à sala de jantar, e dependendo do projeto e do padrão, até na cozinha”. Erika completa que procura usar as padronagens rústicas nas áreas de lazer, de convivência e no espaço da churrasqueira.

Cuidados para a manutenção
- "Cuidar para não deixar cair no piso algum produto químico, como alguns tipos de detergente. Vinho, por exemplo, deve ser limpo na hora, do contrário a mancha pode não sair depois", ressalta Sabrina;
- para a limpeza, evite produtos químicos e abrasivos, pois costumam prejudicar o esmalte do piso; água e sabão ou detergente neutro diluído em água são suficientes;
- alguns fabricantes oferecem produtos específicos que, além de ressaltarem o brilho e protegerem a superfície do porcelanato, são indicados para a remoção de manchas mais difíceis como tinta, café e ferrugem;
- verifique se marca escolhida segue a NBR 15463 da ABNT, específica para os porcelanatos;
- proteja os pés dos móveis e eletrodomésticos, para não arranhar o piso;
- no caso de reformas, o revestimento existente deve ser removido e o estado do contrapiso avaliado. Este último precisa estar limpo, nivelado, impermeabilizado, e sem fungos, poeira ou fissuras;
- O período de cura leva em torno de 14 dias.

> Azulejo
Os azulejos recebem a mesma orientação do porcelanato. A arquiteta Dione Garros prefere utilizar as peças retificadas, ou seja, que passam por um processo mais rígido de qualidade e possuem medidas alinhadas, seguindo um padrão. “A vantagem é que ele necessita de menos rejunte e pode-se escolher uma qualidade melhor, como o epóx”, explica a profissional. Quando as peças não são retificadas, a aplicação exige um espaço maior entre um azulejo e outro, de 2 a 3 milímetros, para disfarçar a diferença entre elas. Colocando mais rejunte, é mais fácil de escurecer a área aplicada.

Azulejo comum

Azulejos variados


> Madeira
Assoalhos de madeira maciça são nobres e mais caros. O mesmo vale para tacos e parquês, também fabricados de madeira natural. Opções como laminados e carpete de madeira são alternativas, pois misturam outros materiais que diminuem o custo sem perder qualidade do produto.

Onde usar
Em salas de estar, jantar e quartos o piso de madeira dá uma sensação maior de conforto.

Tipos de pisos de madeira

- Assoalho ou taboão: o conforto térmico e a durabilidade são as principais vantagens. Quando bem instalado, o piso tem vida útil que pode chegar a 30 anos ou mais. Para a instalação é necessário um contrapiso rebaixado, geralmente em dois centímetros. Ele também deve ser impermeabilizado, plano e bem curado. A madeira deve receber uma proteção à base de solvente ou de água, com efeito fosco ou brilhante.

Mais importante que escolher o tipo de madeira é verificar sua procedência. Deve-se observar se o produto passou por um processo de secagem correto e se é certificado. Peça garantias sobre a secagem da madeira em estufa para evitar a compra de material verde.

Uma opção interessante é o assoalho de bambu. Além de ser uma matéria-prima renovável, é resistente. O revestimento é composto de três lâminas maciças, prensadas.

A instalação exige contrapiso nivelado e impermeabilizado. As peças são assentadas numa camada de cola e encaixadas.

Piso madeira maciça, Loja Desig Perfeito

Cuidados para a manutenção
- Na limpeza, o indicado é um pano úmido bem torcido;
-para restaurar o assoalho depois de alguns anos de uso, é feito o lixamento e aplicação de nova camada de proteção.
- se o verniz não for de boa qualidade, o piso pode riscar até com sapatos;
- a madeira maciça pode sofrer infestamento por cupins. Caso identifique pequenos grãos em cantos, chame a dedetização especializada.

- Madeira reciclada: já existem produtos no mercado que misturam 60% de madeira reaproveitada e 40% de madeira maciça.

- Taco: feito de placas de madeira nativa em tamanhos variados. A vantagem é que podem ser colocados sobre outros pisos, como cerâmica ou pedra. Os formatos mais comuns são espinha-de-peixe, escama-de-peixe, dama, paralelo e convencional. Antes de escolher, verifique com o profissional o quanto de material será perdido por causa do desenho - varia de 8 a 15%.

- Parquê: diferencia-se do taco pela medida: quatro peças unidas formam uma placa. Na instalação, a face superior dessas placas chegam cobertas por uma camada de papel. A outra extremidade fica em contato com a cola, espalhada diretamente no contrapiso nivelado e impermeabilizado. Depois de dez dias da colocação, é feita a retirada do papel com batidas leves, usando pano úmido ou martelo de borracha. Em seguida, o piso é lixado, calafetado - vedado com alcatrão - e revestido com proteção.

Parquê

> Piso laminado
A principal vantagem é o preço, em geral inferior ao da madeira maciça. Existem diversas opções de texturas no mercado, que podem ser réplica fiel da madeira natural, imitando até ranhuras tons. O revestimento normalmente é fabricado a partir de madeira de reflorestamento. É mais resistente a riscos do que a madeira natural.

O piso laminado tem este nome por ser fabricado em camadas. É revestido de uma lâmina decorativa, e o miolo, normalmente, é feito de HDF ou HPP - elementos obtidos das fibras da madeira. A proteção final se dá por uma camada de overlay, filme cristalino de celulose que impermeabiliza e dá brilho ao material. Normalmente, é um revestimento que não favorece a acústica. Porém, a aplicação de uma manta sob o piso reduz o barulho.

Entre os revestimentos, ele é o mais escolhido. Dentre os motivos, segundo a arquiteta Erika Kupac, está o fato de terem fácil colocação. "A manutenção é muito mais fácil do que o taboão de madeira", completa.

A instalação é por encaixe, o que se torna mais rápido, fácil e limpo. Pode cobrir pisos já existentes, como cerâmica, lajota, vinil e concreto, o que é muito útil em uma reforma. Para recebê-lo, o contrapiso deve estar limpo, nivelado e isento de umidade. Para a arquiteta Sabrina Sbardelotto, "o laminado vale pelo custo e benefício. A montagem é mais rápida, é mais fácil de dar arremate, já vem cortado, com rodapé, filetes de porta e todos os acabamentos”.

Onde usar
Em ambientes como salas e quartos. "Dou preferência aos laminados porque acho o porcelanato e cerâmica muito frios para nosso clima. Quando o cliente permite, uso taboão de madeira”, relata Erika.

Cuidados para a manutenção
- Para limpeza, um pano úmido ou detergente neutro e produtos que tenham somente ação de limpeza e desinfetante. Use-os sempre diluídos em água;
- não são recomendados produtos à base de cera ou silicone, pois podem formar um filme gorduroso na superfície, o que pode acabar manchando o revestimento;
- esse tipo de piso não aceita tonalização;
- não se deve usar materiais abrasivos, como saponáceos, palhas e esponjas de aço, pois riscam a superfície;
- se derrubar algo seque e limpe imediatamente para evitar manchas, pois o revestimento é muito sensível a líquidos;
- o indicado é passar o pano no sentido da textura do piso, isto é, no sentido do comprimento das réguas;
- evitar instalação do piso em lugares com incidência direta de sol;
- colocar feltro sob os pés dos móveis para evitar riscos.

> Carpete de madeira
O nome confunde um pouco, mas este produto é semelhante ao laminado. A diferença é que no carpete de madeira a contracapa, o miolo e a lâmina decorativa são de madeira natural. Além disso, o carpete recebe verniz.

As réguas são coladas e encaixadas sobre uma manta de poliuretano, colocada no contrapiso seco e nivelado. Essa camada é isolante acústica e impermeabilizante.

Cuidados para a manutenção
Os mesmos do laminado.

> Pisos de borracha ou emborrachados
A vantagem dos pisos de borracha é que são antiderrapantes, acústicos e absorvem impactos. Por isso são bastante indicados para salas de ginástica, recreação infantil e locais de alto tráfego. Dependendo do modelo, deve ser usado somente em áreas internas. Instalado diretamente sobre o contrapiso, o revestimento é fixado com uma cola designada pelo fabricante.

O excesso de água prejudica este tipo de piso, podendo haver descolamento. Por isso não é indicado para ambientes externos e na área do box do chuveiro.

Onde usar
"Indico o emborrachado para ambientes de crianças, pois é fácil de limpar e ainda pode ser moldado pra não ter canto, subindo um pouco na parede” , comenta a arquiteta Sabrina Sbadelotto. Ela acrescenta que muitas vezes este tipo de piso resiste a chamas e a produtos químicos.

> Pisos de vinil ou vinílicos
O revestimento de vinil tem se tornado o queridinho em projetos modernos, pois é possível fazer desenhos com recortes do piso. Também é uma opção mais ecologicamente correta quando fabricado a partir de materiais reciclados.

Outra vantagem é ser macio e térmico, proporcionando conforto. É indicado para ambientes internos. As diferentes padronagens disponíveis imitam a textura de outros materiais como a madeira. Pode ser encontrado em forma de tapete, placa ou manta, dispensam argamassa na instalação e normalmente são fixados com cola.

A arquiteta Dione Garros defende o uso do piso vinílico porque ele “é resistente ao atrito, não arranha, é fácil de higienizar e dá sensação de conforto. Nós temos um piso vinilico no escritório e as pessoas acham que é madeira envelhecida". Ela acrescenta que as fábricas costumam dar de 10 a 15 anos de garantia.

No entanto, deve-se evitar o uso em banheiros, pois o contato constante com água e umidade pode comprometer o desempenho da cola. Também não é recomendada a aplicação de pisos vinílicos sobre madeira. Antes de instalá-lo sobre cerâmica, esta deve receber um tratamento especial.

Piso vinilico, Dione Garros

Piso vinilico cozinha, Zaro

Piso vinilico sala, Zaro

Piso vinilico estar, Zaro

Cuidados para a manutenção
- Objetos pontiagudos podem cortar a manta;
- a limpeza pode ser manual ou por máquina;
-os produtos mais indicados para manutenção são: cera acrílica, detergente neutro, removedor acrílico e selador.

Leia mais
>> O estilo versátil do laminado
>> Porcelanato alto-brilho confere sofisticação ao ambiente
>> Que tal um tapete de cerâmica?
>> Piso aquecido: conforto sem ocupar espaço
>> hagah: pisos e revestimentos em POA e Floripa

Fonte: hagah RS
Comente: